Buscar
  • GVBIM

Demandas ambientais e o BIM

É possível se observar que, no recente cenário que nos encontramos, as discussões ambientais se tornaram temas chave quando o assunto é crescimento. Não se pode mais falar sobre crescimento e desenvolvimento sem mencionar a sustentabilidade. Isto acontece pois, nos últimos 30 anos foi possível se perceber cada vez mais o crescente dano que a indústria é capaz de gerar.

Por isso, com diversas conferências climáticas e debates entre líderes mundiais, chegou-se à conclusão de que é necessário transformar este cenário. Hoje estamos em uma fase inicial, de reparação, tentando reverter o dano já causado e para isso precisamos de medidas ativas de mudança ambiental. Uma dessas medidas é o uso do BIM, mas vamos explicar mais adiante.


A PERSPECTIVA DE MUDANÇA


Claro que podemos dizer que, atualmente, o desenvolvimento sustentável é um assunto que permeia as pautas dos principais veículos de comunicação. Nas TV’s, nas rádios, podcasts, redes sociais, o tema já se tornou um dos principais nas discussões especializadas. Pesquisando o termo “desenvolvimento sustentável” utilizando a plataforma Google Trends, que mostra qual a frequência de pesquisa de um termo na plataforma de buscas do Google, é possível ver que entre algumas altas e baixas, de 2020 para cá o pico de procura pelo termo só aumentou.

Isso significa que estamos vivendo um período no qual não só os grandes líderes e empresários conversam sobre a sustentabilidade, o tema chegou ao grande público.


O CENÁRIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL


Simplesmente falar sobre o tema não significa que haverá alguma mudança real. É preciso que a opinião pública ajude a moldar o comportamento das grandes indústrias, e é isto que vimos recentemente. É possível ver uma grande mudança de comportamento no cenário empresarial mundial. Grandes fundos de investimento tem deixado claro que não investem mais um centavo em empresas que geram danos ambientais, ou que pelo menos não tenham planos de mudar este cenário.

É possível ver grandes player surgindo no mercado, como a Tesla que é não somente uma empresa de automóveis, mas uma também uma empresa de pesquisa na área de armazenamento energético, painéis solares e baterias. A Mercedes tem o plano de, até 2039 ter toda sua frota com veículos com 0 emissão de carbono. Vemos também não somente empresas, mas países investindo pesado no desenvolvimento sustentável, a Alemanha por exemplo tem o plano de até 2045 emitir 0 carbono na atmosfera.

O que vemos é um cenário no qual não há como escapar, é preciso estar alinhado com os planos de sustentabilidade se quiser se tornar um player em qualquer mercado atual. E em nossa área, a construção civil, este assunto vai ficando cada vez mais próximo.


ONDE O BIM ENTRA NISSO?


BIM é inovação. No século em que estamos, no momento em que vivemos é impossível ser inovação sem ser sustentável. A tecnologia de construção virtual é em sua gênese sustentável. Isso acontece pois a otimização do uso de recursos que o BIM proporciona de forma ímpar é um fator importantíssimo para uma construção mais consciente. É preciso ter em mente que um projeto bem estruturado e otimizado transforma a execução da obra, fazendo com que ela seja realizada em menor tempo, com menor gasto financeiro e de materiais.

Além disso, com a metodologia BIM 6D é possível planejar todo seu empreendimento para que ele seja o máximo sustentável. Por exemplo, pode-se planejar o uso de materiais para que seja o menor, com o mínimo de desperdício, pode-se otimizar o uso de energia do empreendimento e até mesmo a climatização natural para que não seja necessário o uso de climatizadores artificiais.

Quando iniciamos qualquer conversa sobre desenvolvimento é necessário se falar sobre sustentabilidade, e quando este assunto é falado dentro da construção civil, não há como falar disso sem falar de BIM.


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo