Buscar
  • GVBIM

Futuro, realidade virtual e BIM



Mais uma semana, mais uma conversa. Neste nosso ponto de encontro semanal já falamos sobre muitos temas diferentes. Hoje iremos trazer e relacionar alguns deles. Queremos levar vocês, nossos leitores, em uma viagem. Uma passagem com ida, volta e estadia para um futuro próximo, no qual, BIM, realidades virtuais e simulações digitais serão não só algo comum, como se tornarão um padrão. Este papo pode parecer estar começando de forma um pouco vaga, talvez até lúdica demais, mas como sempre gostamos de fazer por aqui, sejamos criativos e vamos entender o que nos aguarda nos anos adiante.




AS REALIDADES VIRTUAIS


O conceito de realidade virtual acabou sendo banalizado, o que é uma pena, pois quando se fala sobre isso de forma séria, tem-se um universo de possibilidades que nos permite sonhar com um mundo mais organizado. Vejam bem, iremos exemplificar. Atualmente quando se diz VR só se imagina aqueles óculos nos quais você pode experimentar vivências em 360° com alta resolução e realismo. Porém, a Virtual Reality é bem mais complexa que apenas isso. A ideia mais complexa do conceito é a de, virtualmente simular o mundo real para com isso, se obter dados.

Imaginemos.

Uma grande mudança precisará ser realizada no centro de Nova Iorque. Diversas ruas serão interditadas, o trânsito precisará ser redirecionado, entre outros transtornos. Não seria mais simples realizar esta empreitada se, antes do início do processo, uma simulação fosse criada virtualmente aplicando todos os dados presentes no mundo real e os colocando à prova. Desta forma, sem transtorno, pode-se testar milhões de possibilidades diferentes até que a melhor seja encontrada.

Claro, simular não é nenhuma novidade no mundo, o próprio ato de se equacionar situações e projetos já é em si uma forma de simular numericamente o que acontece no mundo real. O que muda é o conceito de se aplicar isso à realidade virtual.

Continuemos em nosso exercício, agora iremos mudar de área, para entendermos como não há mais como fugir dos avanços. Falaremos sobre a área médica. Um paciente necessita de uma cirurgia de altíssimo risco no cérebro. Os médicos, diante da demanda, recorrem à realidade virtual para gerar uma simulação de alta fidelidade, para que assim, diante dos dados coletados, eles realizem testes para poder escolher quais os melhores métodos de se realizar o procedimento.


BIM


Estes exemplos que utilizamos acima já acontecem. São formas de mostrar como a VR é muito maior do que pensamos. Projetos de engenharia, como o que realizamos para o Aeroporto de Governador Valadares, já podem ser observados com óculos de realidade virtual. (você pode assistir ao vídeo clicando aqui). Explicamos o Aprojeto em outro texto do blog, vale a pena conferir também.

Sempre falamos aqui que não há como fugir dos avanços e o que vemos cada dia mais são exemplos disso. Vale a pena ainda mencionar que todo este universo poderá ser compilado por meio do conceito que vem sendo criado para o MetaVerso. Então devemos, como profissionais estar preparados, pois quando falamos sobre futuro, não estamos falando de uma realidade distante, tal qual jetsons com carros voadores, o futuro que falamos é agora.

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo